O Menino e a Garça Explicado: O que é o adeus de Hayao Miyazaki?

O Menino e a Garça Explicado: O que é o adeus de Hayao Miyazaki?

Em mais um filme que pode ser seu último, lenda do Studio Ghibli avalia sua carreira e vida

Guilherme Jacobs
22 de fevereiro de 2024 - 8 min leitura
Notícias

"O vento se ergue! Devemos tentar viver!" é a declaração final de Vidas ao Vento, a obra-prima que, até então, era o último filme de Hayao Miyazaki. O titã da animação e maior nome do lendário Studio Ghibli, claro, já se aposentou algumas vezes, e não há como ter certeza que O Menino e a Garça será, de fato, o fechamento de sua carreira (segundo um produtor, ele já tem outro projeto em mente). Se for o caso, essa carta de despedida é uma linda, estranha e poética resposta ao seu antecessor. Depois de nos mandar viver, Miyazaki agora pergunta como.

Ranking de Hayao Miyazaki: Todos os filmes do diretor de Viagem de Chihiro e Meu Amigo Totoro

O título deste filme em japonês, afinal, é o mesmo do livro escrito por Genzaburo Yoshino em 1937 ("Como Você Vive?") e presentado de forma póstuma a Mahito, o titular Menino, por sua mãe, morta no bombardeio de Tóquio durante a Segunda Guerra Mundial. Agora, ele e seu pai, que casou com a irmã da falecida esposa, se mudaram para o interior, e quando o garoto descobre o presente, temos um dos exemplos mais claros da mensagem deixada por Miyazaki nessa dura, poderosa e doce avaliação feita por uma lenda em seus anos finais de trabalho e vida.

O melhor exemplo, porém, vem mais pra frente, através de outro personagem que nos ajuda a entender o significado final de O Menino e a Garça. Primeiro, precisamos falar sobre como Mahito encontra ele.

LISTA: 5 referências de O Menino e a Garça a outros filmes do Studio Ghibli

Apesar de frustrado com a situação de sua família, Mahito não hesita quando precisa se aventurar na torre sombria vizinha à mansão de sua tia (ou "nova mãe," nas palavras dela), Natsuko, quando ela desaparece, levada pela Garça para dentro dessa construção velha e misteriosa. Lá, Mahito é levado até um mundo fantástico. Se a primeira hora de O Menino e a Garça é Meu Amigo Totoro, uma paciente e relativamente pacífica passagem por uma paisagem natural com toques de magia, a segunda é A Viagem de Chihiro, quando pulamos de cabeça num universo bizarramente criativo, onde compartilhamos do misto de fascínio e confusão sentido pelo protagonista.

o-menino-e-a-garca-explicado

Como o parágrafo acima sugere, O Menino e a Garça pode facilmente ser lido como um "greatest hits" de Miyazaki e do Studio Ghibli. Há criaturas que trazem à mente os kodamas e susuwatari, crianças se arrastando para dentro de ambientes sobrenaturais e comentários perspicazes sobre o impacto, majoritariamente negativo, da humanidade na fauna e flora. Mas esse filme não é apenas uma coleção de referências. O todo é muito maior que uma simples junção de suas partes. Aliás, chamar essas inclusões de "referências" é um desserviço ao seu propósito; manter em nossas mentes as imagens e personagens mais marcantes de Miyazaki para, então, questioná-las.

Esse passeio pelo passado ganha mais peso quando O Menino e a Garça aprofunda seus significados e entendemos que Mahito não é o único reflexo de seu criador nessa fábula. Miyazaki nunca escondeu suas influências, e tampouco nega o impacto de sua vida real nas suas obras. A relação conturbada com o filho, o tempo sacrificado em nome do trabalho e a dificuldade em lidar com a falta de controle sobre a resposta do público e do mercado quando a arte deixa seu estúdio; tudo isso pautou seus filmes, e não é diferente aqui.

Como o garoto, Hayao Miyazaki está visivelmente lidando com suas memórias do bombardeio (ele tinha 4 anos) e a subsequente perda de sua mãe, vítima de tuberculose. A frustração com as circunstâncias ao seu redor, o ressentimento com os adultos — em particular o pai — e o desejo de fugir para outro lugar movem ambos Mahito e Miyazaki, mas o cineasta também existe de outras formas, em especial no Tio-avô, uma misteriosa figura que entrou na torre há anos, e lá criou o mundo onde o garoto agora se aventura.

(Aqui, preciso entrar em detalhes do final de O Menino e a Garça. Cuidado com spoilers depois da imagem abaixo. Se quiser um texto sem spoiles, leia aqui).

o-menino-e-a-garca-final

Se Mahito reflete o princípio de Miyazaki, o Tio-avô representa seu fim. O Menino e a Garça foi descrito pelo diretor como algo que ele queria deixar para seu neto. Um último recado antes de partir. Quando o Tio-avô entra em cena e interage com seu descendente, pedindo que este seja seu sucessor no comando deste reino. "Faça algo melhor," ele diz. Algo com paz. Agora é sua vez.

Mas Mahito nega o convite e volta para casa, onde há guerra, morte e famílias imperfeitas. Se Miyazaki quer usar O Menino e a Garça para falar com uma nova geração, então sua declaração não é um convite a seguir seus passos, mas sim a analisá-los. As construções do Tio-avô são destruídas quando o tempo dele termina, e sem Mahito, aquela terra vira ruínas. É como se o diretor estivesse, de fato, considerando o valor de passar décadas e décadas de sua existência se dedicando à criação de fantasias. De certa forma, quando ele morrer, elas morrem para ele. Em paralelo, o único jeito de escapar delas parece ser morrendo. É um pensamento mórbido e relevante para alguém que já disse mais de uma vez que estava se afastando do cinema.

Mas não é só negatividade. Talvez a principal características desta rica filmografia profundamente ecológica seja como a natureza é pintada nela. As ondas do mar de Ponyo, o céu por onde Porco Rosso e Kiki voam, o vento renovador de O Castelo no Céu, a relva por onde o castelo de Howl se move, as árvores imponentes de Princesa Monoke. Miyazaki pode ter sido um crítico ferrenho de governos fascistas e humanos sem consideração pelo meio ambiente, mas ele também foi um verdadeiro apaixonado pela Terra, e foi de lá que ele tirou todas as ideias ecoando nesses títulos.

Amamos suas criações, e não faltam tentativas de reproduzi-las. Dos livros ensinando receitas de pratos vistos nos filmes do Ghibli à viagens planejadas com base nos locais que os inspiram, fãs de Hayao Miyazaki muitas vezes parecem querer, acima de tudo, habitar em seus desenhos. Mas o verde da grama e o azul do firmamento só são assim porque existe uma versão real deles, amada e querida por ele. No que podem ser seus últimos minutos como artista, Hayao Miyazaki nos diz que não há fantasia capaz de substituir a realidade. Como devemos viver? Não a substituindo. Criando a partir dela. Testemunhando sua beleza. Vivendo nela.

O Menino e a Garça entra em cartaz em cidades selecionadas pelo Brasil no dia 10 de fevereiro. Ele estreia no país todo em 22 de fevereiro de 2024, com distribuição da Sato Company.

studio-ghibli
hayao-miyazaki
o-menino-e-a-garca
explicado
artigo
chippu-originals
guilherme-jacobs

Você pode gostar

titleAnime

Crunchyroll Anime Awards 2024: Onde e que horas assistir à premiação

O Anime Awards 2024 será exibido e comentado ao vivo pelo Omelete

Bruna Nobrega
1 de março de 2024 - 9 min leitura
titleFilmes e Cinema

Duna: Parte 2 | 5 principais diferenças entre livro e filme

Saiba como a adaptação de Denis Villeneuve difere do épico de Frank Herbert

Guilherme Jacobs
1 de março de 2024 - 7 min leitura
titleCríticas

Dias Perfeitos de Wim Wenders encontra beleza nas coisas mais ordinárias da vida

Em seu espetacular drama em Tóquio, diretor de Paris, Texas faz belo ensaio sobre o cotidiano

Guilherme Jacobs
29 de fevereiro de 2024 - 7 min leitura
titleFilmes e Cinema

Duna Parte 2 Explicado: Entenda a escolha final de Paul

Por que o personagem de Timothée Chalamet faz a proposta para a Princesa Irulan?

Guilherme Jacobs
29 de fevereiro de 2024 - 6 min leitura