Jenna Ortega não vai retornar para Pânico 7

Jenna Ortega não vai retornar para Pânico 7

Saída da atriz vem logo após a demissão de sua colega Melissa Barrera

Guilherme Jacobs
22 de novembro de 2023 - 3 min leitura
Notícias

Além da ausência de Melissa Barrera, que foi demitida após fazer comentários pró-Palestina interpretados pela produtora como antissemitas, o próximo filme de Pânico não deve contar com o retorno de Jenna Ortega. Segundo o Deadline e Hollywood Reporter, a atriz de Wandinha também estará ausente da sequência, Pânico 7.

As fontes de ambas publicações insistem que a saída de Ortega "não tem ligação alguma" com a demissão de Barrera, e que é fruto dos conflitos na agenda da atriz, que estará ocupada filmando a segunda temporada de Wandinha para a Netflix e Beetlejuice 2.

Ortega, porém, também tem sido vocal na defesa dos palestinos em suas redes sociais, e era próxima de Barrera devido ao seu trabalho juntas como protagonistas dos últimos dois Pânicos como as irmãs Tara e Sam Carpenter.

As fontes, porém, dizem que a possibilidade de sua saída já vinha sendo especulada desde antes da greve dos atores.


Por que Melissa Barrera foi demitida de Pânico 7?


Em comunicado oficial, a produtora de Pânico disse: "A posição da Spyglass é claríssima: Temos tolerância zero para antissemitismo ou o encorajamento do ódio de qualquer forma, incluindo referências falsas a genocídio, limpeza étnica, distorções do Holocausto ou qualquer coisa que claramente cruze a linha do discurso de ódio."

No Instagram, Barrera havia publicado que a falta de vídeos mostrando os acontecimentos recentes na faixa de Gaza, durante o conflito entre Israel e o Hamas, a partir da perspectiva palestina era porque "a mídia ocidental só mostra um lado" e porque "censura é muito real."

A Spyglass parece ter interpretado isso como o jargão antissemita de que judeus controlam a mídia.

Em paralelo, o diretor de Pânico 7, Christopher Landon, foi as redes sociais e disse: ""Essa é minha declaração: : 💔 Tudo é horrível. Parem de gritar. Isso não foi minha decisão."

Até então, Pânico 7 continuaria a história das irmãs Carpenter estabelecida pela dupla de diretores RadioSilence nos dois últimos filmes da saga: Pânico(2022) e Pânico 6.

Lançado em março de 2023 nos cinemas, Pânico 6conta com o retorno de Courteney Cox (Friends), Jenna Ortega (Wandinha), Melissa Barrera (Vida), Mason Gooding (Fora de Série) e Jasmin Savoy Brown (Yellowjackets), todos presentes no quinto filme. Hayden Panettiere, que fez Kirby Reed em Pânico 4, também volta. Entre os novos nomes no longa estão Tony Revolori (O Grande Hotel Budapeste) e Samara Weaving (Casamento Sangrento). A personagem Sidney Prescott, vivida por Neve Campbell, não retornou para o sexto filme.

Os dois últimos filmes da franquia da Paramount Pictures arrecadaram, respectivamente, US$ 137,7 milhões e US$ 168,9 milhões em todo o mundo.

Pânico 7, por sua vez, não tem data de lançamento marcada, e com a demissão de Barrera, é difícil saber qual será o destino do filme. Sua personagem era a protagonista da trama, que sem dúvidas terá que ser alterada caso ela seja removida. A Spyglass Media também pode tentar escalar uma nova atriz para o papel.

jenna-ortega
panico
melissa-barrera

Você pode gostar

titleFilmes e Cinema

Abigail se sustenta em Melissa Barrera, mas não é suficiente

O terror, que também conta com Dan Stevens e Angus Cloud no elenco, chega nesta quinta-feira (18) aos cinemas

Bruna Nobrega
18 de abril de 2024 - 4 min leitura
titleNetflix

Wandinha escala Steve Buscemi para segunda temporada

Fontes dizem que ator será o novo diretor da escola Nunca Mais

Alexandre Almeida
16 de abril de 2024 - 1 min leitura
titleFilmes e Cinema

Abigail: Vampira caça Melissa Barrera e Angus Cloud em novo trailer

Dirigido pelos diretores dos últimos Pânico, filme inverte trama de sequestro

Guilherme Jacobs
4 de abril de 2024 - 1 min leitura
titleFilmes e Cinema

Pânico 7: Courteney Cox negocia para reprisar papel de Gale Weathers no filme

Em meio a um reboot criativo, franquia pode ter trazer de volta

Guilherme Jacobs
29 de março de 2024 - 3 min leitura