Scott Pilgrim: A Série é um incrível New Game+ para a HQ e o filme

Scott Pilgrim: A Série é um incrível New Game+ para a HQ e o filme

O novo anime transforma a história de Bryan Lee O'Malley de maneira surpreendente

Guilherme Jacobs
17 de novembro de 2023 - 5 min leitura
Crítica

Para quem já leu a ótima história em quadrinho de Bryan Lee O'Malley, ou assistiu ao divertidíssimo filme Scott Pilgrim Contra o Mundo de Edgar Wright, o primeiro episódio de Scott Pilgrim: A Série vai causar muito deja vú. Ver Scott sonhando com Ramona, acordando ao lado de Wallace, tocando com a Sex-Bob-Omb e eventualmente entrando na luta contra Matthew Patel, o primeiro membro da Liga de Ex-Namorados do Mal da garota, é como voltar para um lugar feliz; sensação potencializada quando se assiste ao desenho em inglês, com o mesmo elenco do longa-metragem nas vozes.

No geral, todo mundo soa igual. Mas a voz do Michael Cera, que vive Scott Pilgrim, claramente mudou nesses 13 anos. Do mais, temos: Mary Elizabeth Winstead, Kieran Culkin, Chirs Evans, Brie Larson, Anna Kendrick, Jason Schwartzman, Brandon Routh, Ellen Wong, Aubrey Plaza, Mae Whitman e assim vai.

Scott-Pilgrim-Takes-Off-u-S1-E1-00-03-51-10

Com o estilo expressivo e imediatamente reconhecível da animação do Science SARU — estúdio que traz as páginas de O'Malley à vida de maneira semelhante ao quadrinho mas com um toque próprio que bebe muito, e muito bem, da cultura de anime — há criatividade o suficiente em tela para compensar pela perceptível ausência do ritmo que Wright trouxe com seus cortes inventivos. Ainda assim, há uma certa segurança nisso. É divertido, nostálgico e lindo de ver, mas não é tão interessante. Estamos revivendo os mesmos eventos (para quem leu pelo menos o primeiro volume da HQ, como eu, pela terceira vez), há pouca novidade.

Então, algo acontece. Algo legal, cativante e inesperado surge na conclusão do primeiro dos oito capítulos, e Scott Pilgrim: A Série revela sua verdadeira intenção; transformar a forma como a história de Scott Pilgrim é contada de maneira tão profunda, que os episódios seguintes passam a parecer cada vez menos com a narrativa original, sem nunca perder seu espírito. A comédia, referências a games e personagens estão todos ali, mas de outro jeito.

Scott-Pilgrim-Takes-Off-Main-Trailer-03

É tudo que eu posso falar sem dar spoilers. Me sinto confortável em descrever isso porque o próprio O'Malley comentou isso em entrevista à Entertainment Tonight: "Eu escrevi isso há quase 20 anos. Eu não podia voltar e reescrever palavra por palavra. Eu continuei pensando. Eu preciso contar a história de Scott Pilgrim num mundo onde a história de Scott Pilgrim já foi contada e as pessoas a conhecem. Eu precisava pintar uma nova camada de tinta e bagunçar as coisas."

Dito e feito. Scott Pilgrim: A Série é tanto sobre os temas originais de Scott Pilgrim — o amadurecimento de Scott e Ramona, sua paixão um pelo outro, a cultura do fim dos anos 2000, a cidade de Toronto e seus coloridos habitantes — quanto sobre a ideia de repetir a história de Scott Pilgrim. Se O'Malley queria colocar uma nova camada de tinta por cima de tudo, o seu pigmento escolhido foi a metalinguagem, e graças ao roteiro inventivo do próprio autor junto com BenDavid Grabinski, e a direção idiossincrática de Abel Góngora, que nunca desperdiça uma chance de adicionar uma piada ou enfeite, a pintura fica perfeita.

Scott-Pilgrim-Takes-Off-Main-Trailer-02

Essa proposta transforma o retorno do elenco original em algo além de uma jogada por nostalgia: esse anime é precisamente um exercício em busca de encontrar algo novo dentro do familiar. Scott Pilgrim sempre bebeu muito da interatividade e estrutura cíclica de games, tanto para truques visuais quanto para o próprio esqueleto da aventura. A melhor forma de descrever a série, então, é como o "New Game+". Você começou o jogo de novo, mas sabendo de tudo, e herdando algumas coisas.

Talvez isso torne o anime menos acessível para quem não teve nenhuma experiência com outras versões de Scott Pilgrim (o filme, infelizmente, não está no catálogo da Netflix durante a estreia da série). É difícil reconhecer algo reconfigurado se não há familiaridade alguma com o padrão. Ao mesmo tempo, Scott Pilgrim: A Série é algo claramente desenhado para quem passou os últimos anos visitando e revisitando esse mundo, e para esses, há surpresas e deleites a cada fase.

Scott Pilgrim: A Série está disponível na Netflix

Nota da Crítica
EstrelasEstrelasEstrelasEstrelasEstrelas
Guilherme Jacobs
DISPONÍVEL EM

Scott Pilgrim: A Série

Ação
Comédia
Anime
0h 24min | 2023
scott-pilgrimcriticanetflixedgar-wrightbryan-lee-omalleyabel-gongoramichael-ceramary-elizabeth-winsteadkieran-culkinchris-evansanna-kendrickjason-schwartzmannbrie-larsonaubrey-plazabendavid-grabinskiscience-sarubrandon-routhellen-wongmae-whitmanchippu-originals

Você pode gostar

titleCríticas

Dias Perfeitos de Wim Wenders encontra beleza nas coisas mais ordinárias da vida

Em seu espetacular drama em Tóquio, diretor de Paris, Texas faz belo ensaio sobre o cotidiano

Guilherme Jacobs
29 de fevereiro de 2024 - 7 min leitura
titleCríticas

Duna: Parte 2 faz corajosa fantasia sobre religião sem fugir dos padrões de Hollywood

Denis Villeneuve se aprofunda nos temas do clássico de Frank Herbert e apesar de escorregar na condução dos personagens, entrega imersão e discussões poderosas

Thiago Romariz
29 de fevereiro de 2024 - 7 min leitura
titleCríticas

Ficção Americana usa excelente elenco para sátira, mas é melhor no drama genuíno

Indicado a 5 Oscars, filme de estreia de Cord Jefferson conta com Jeffrey Wright e Sterling K. Brown

Guilherme Jacobs
27 de fevereiro de 2024 - 7 min leitura
titlePrime Video

Expatriadas é um retrato de gerações, culturas e classes sobre mulheres reais

A minissérie exibiu seu último episódio nesta sexta-feira (23) no Prime Video

Bruna Nobrega
23 de fevereiro de 2024 - 4 min leitura